O Advogado Zé Caneado

7
  • Sharebar

Olá amigos se esta história é real ou inventada não sabemos, enfim é criativa. Que vocês tenham uma ótima segunda-feira.

Dizem que aconteceu em Fortaleza, bela capital cearense.
Tinha na cidade um cara chamado S.A. cujo apelido era Cabeçudo. Nascera com uma cabeça grande, dessas que mais se parecem a uma Bigorna.
Mas, fora disso, era um cara pacato, bonachão e paciente, apesar de nanico e intelectualmente limitado.
Não gostava, é claro, de ser chamado de Cabeçudo, mas desde os tempos do grupo escolar, tinha um chato que não perdoava. Onde quer que o encontrasse, lhe dava
uma palmada na cabeça e perguntava: “tudo bom, Cabeçudo”?
O Cabeçudo, já com seus 29 anos, e o cara sempre zombando dele.
Um dia, depois do centésimo tapinha na sua cabeça, o Cabeçudo meteu uma faca no engraçado e matou ele na hora.
A família da vítima era rica, a do Cabeçudo, pobre. Não houve jeito de encontrar um advogado para defendê-lo, pois o crime tinha muitas testemunhas. Depois de apelarem para advogados da Bahia, Minas e do Rio, sem sucesso algum, resolveram procurar o Zé Caneado, um advogado que há muito tempo deixara a profissão, pois,como o próprio apelido indicava, vivia de porre.
Pois não é que o Zé Caneado aceitou o caso, e passou a semana anterior ao julgamento sem botar uma gota de cachaça na boca! Na hora de defender o Cabeçudo, ele começou a sua peroração assim:
- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri.
Quando todo mundo pensou que ele ia continuar a defesa, ele repetiu:
- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri.
Repetiu a frase mais uma vez e foi advertido pelo juiz:
- Peço ao advogado que, por favor, inicie a defesa.
Zé Caneado, porém, fingiu que não ouviu e:
- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri.
E o promotor:
- A defesa está tentando ridicularizar esta corte!
O juiz:
- Advirto ao advogado de defesa que se não apresentar imediatamente os seus argumentos…
Foi cortado por Zé Caneado, que repetiu:
- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri.
O juiz não agüentou:
- Seu moleque safado, seu bêbado irresponsável, está pensando que a Justiça é motivo de zombaria? Ponha-se daqui para fora antes que eu mande prendê-lo.
Foi então que o Zé Caneado disse:
- Se por repetir apenas algumas vezes que o juiz é meritíssimo, que o promotor é honrado e que os membros do júri são dignos, os senhores me ameaçam de prisão, pensem na situação deste pobre homem, que durante vinte e nove anos, todos os dias da sua vida, foi chamado de Cabeçudo?

Cabeçudo foi absolvido e o Zé voltou a tomar suas cachaças em paz.

Moral: mais vale um Bêbado Inteligente do que um Alcoólatra Anônimo!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


7 Comentários

  1. Fabyan disse:

    Gente, ótimo essa história, mas, perceberam que ela é repetida??? ela já existe no blog. Ç.Ç

    mas, fora isso, muito bom

  2. Atiloko disse:

    HUHAU nem sei viu Fabyan são 2 anos postando que a gente acaba postando denovo haha

  3. Marcos Gomes disse:

    huauhauhauha foi mto boa msm!

  4. Fabricio-SC disse:

    Lenda urbana do direito… porém readaptada.. na original não é citada a cidade, o advogado é muito bem conceituado e a saudação também não era a mesma.. hehehe mais valeu pelo post!!

  5. Fabyan disse:

    rsrsrsrsrs’ faz parte. ^^’

  6. guid disse:

    jah postou essa rsrs

Deixe um comentário


© 2012 Recebi por e-mail. Todos os direitos + esquerdos + meia lua pra trás + soco forte reservados.